Quarta-feira, 17 de Setembro de 2008

NEUROPSICOLOGIA ONLINE

As características diferenciais entre o SA bitemporal e o SA diencefálico são resumidamente as seguintes:

l  SA bitemporal

l  Amnesia anterógrada

l  Esquecimento rápido

l  Amnesia retrograda limitada

l  Deficiência de armazenamento ou processamento

 

l  SA diencefálico

l  Amnesia  anterógrada

l  Esquecimento normalidade

l  Deficit em codificação ou analise

l  Amnesia retrograda extensa

 

 

 

 

 

 

                                                       


publicado por neuropsicologiaonline às 08:35
link do post | comentar | favorito

NEUROPSICOLOGIA-COMO FUNCIONA O BINOMIO CEREBRO&CORPO

 

 

Os lóbulos frontais conexionados com a estrutura PTO, compreende a realização dos fenómenos dinâmicos que que possibilitam isolar e proceder ao exame da estimulação  operacional sob condições  interferenciais, como o previsto no paradigma“flanker task” .

Estruturas cerebrais activas nos estudos efectuados acerca das três redes atencionais, neuromoduladores dominantes e localizações cerebrais onde essas redes exercem a sua influência (retirado e adaptado de "Attention as an organ system", Posner et al, 2002)

FUNÇÃO

ESTRUTURAS

Cerebrais

MODULADOR

dominante

Locais de influência (sites)

 

Orientação

Córtex Parietal superior

Junção Temporo-parietal

Região Fronto-orbital

Colículo Superior

 

Acetilcolina

 

V1, A1, S1

 

Alerta

Locus Coeruleus;

Córtex Frontal direito

Córtex Parietal direito

 

Norepinefrina

 

Sistema de Orientação

 

Atenção Executiva

Cingulado Anterior

Ventral lateral

Pré-frontal

Gânglios Basais

 

Dopamina

 

Todas as áreas cerebrais


 

 

 

 


publicado por neuropsicologiaonline às 03:47
link do post | comentar | favorito

PARTICIPAÇÂO DO SISTEMA RETICULAR NO PROCESSAMENTO ATENCIONAL

“De acordo com Brandão (1995), a formação reticular localizada no tronco cerebral é responsável pela regulação do estado de alerta (tenacidade) e subsidia o processo atencional. As informações provindas dos receptores sensoriais passam pela formação reticular de onde ascendem fibras para estruturas diencefálicas e corticais. A formação reticular torna-se, assim, uma estrutura mediadora entre os estímulos externos e o mundo interno, pois através de mecanismos reguladores, como a atenção, selecciona os estímulos e permite uma interacção com o meio. As projecções do chamado sistema activador reticular ascendente (SARA) do trono cerebral possibilitam a activação cortical, a manutenção do alerta e a escolha das respostas comportamentais. Acredita-se que esse processo seja mediado neuro quimicamente por neurónios dopaminérgicos provenientes do núcleo A10 dessa região.

O Sistema Reticular Activador é dividido em dois componentes principais: o componente mesencefálico e o componente talâmico. O componente mesencefálico é formado pela substância reticular e a protuberância superior. A estimulação dessa região produz fluxo difuso de impulsos através de áreas talâmicas para áreas dispersas no córtex cerebral, produzindo um estado geral de vigília. O componente talâmico produz activação de regiões específicas do córtex (Guynton, 1985).

A partir dessa activação inicial, os neurónios do córtex parietal recebem informações sensoriais do tálamo e das áreas de associação corticais; as informações motoras são provenientes dos núcleos da base e do colículo superior; e informações límbicas são provenientes do giro do cíngulo e da amígdala. Todas essas áreas recebem aferências da formação reticular que regula o nível de activação de cada uma delas (Brandão, 1995).

De maneira inversa, o sistema reticular activador também pode ser activado ou inibido por sinais de diferentes regiões do córtex (córtex sensorial som estésico, córtex motor e córtex frontal) por meio de vias neurais que se dirigem para os componentes mesencefálicos e talâmicos (Guynton, 1985). Desse modo, impulsos de diferentes regiões do córtex, e principalmente da região frontal modula a actividade da formação reticular.

Tem sido verificado em estudos de gravação da actividade neural realizados em macacos que a atenção afeta a actividade de áreas do cérebro que processam as características dos estímulos, como cor, movimento, textura e forma. Quando a atenção é dirigida para um único estímulo do campo visual, por exemplo, ocorre um aumento na taxa de disparo de neurónios que atendem a esse estímulo (Motter, 1993).

Desse modo, quando é estabelecido um foco atencional há uma facilitação das respostas dos neurónios corticais tanto nas áreas sensoriais quanto associativas (Lent, 2002). Corbetta, Miezin, Dobmeyer, Shulman & Petersen (1991) demonstraram que há diferentes sistemas envolvidos com a discriminação da cor, forma e velocidade dos estímulos em estudos com PET. De acordo com seus resultados, a atenção selectiva visual modula a actividade de regiões distintas do córtex extra estriado que são responsáveis pelo processamento das diferentes características dos estímulos. Assim, a atenção pode afectar directamente a selecção de características visuais específicas da localização espacial. “

Fonte:Lima, Ricardo F. de (2005). Compreendendo os mecanismos atencionais. Ciências & Cognição; Ano 02, Vol.06, nov /2005.

 

 

 

 


publicado por neuropsicologiaonline às 03:34
link do post | comentar | favorito

INFECÇÔES DO CEREBRO _ CLASSIFICAÇÂO GERAL

As infecções do cérebro podem-se dividir dependendo da tipologia de hospede infeccioso;

 

 

 

Infecções Virais

Infecções Bacterianas

Infecções Micóticas

Infecções Parasitarias

 

 

 

Os sintomas produzidos pelas infecções cerebrais podem enumerar-se do seguinte modo a,

l  síndroma confusional agudo(severo)

l  deficit de atenção

l  falha de memória

l  por vezes agitação motora

l  Da sintomatologia associada a casos de hipertensão intracraniana  podem descrever-se os seguintes;

l  Cefaleias

l  Vertigem

l  náuseas e convulsões

l  Nos casos reportados a encefalites por herpes  simples são frequentes as alterações comportamentais (desinibição, impulsividade) assim como transtornos graves da memória.


publicado por neuropsicologiaonline às 03:22
link do post | comentar | favorito

TUMORES CEREBRAIS DE CRESCIMENTO LENTO

 Os tumores cerebrais de crescimento lento produze, muito pouca sintomatologia neurológica e neuropsicologia porque  o seu crescimento efectua-se por norma fora do cérebro( tumores  benignos) ex; meningiomas, estes tumores permanecem bem definidos e não se infiltram dentro do parênquima cerebral. A sua sintomatologia evidencia-se de modo geral como consequência do efeito da massa sobre as distintas estruturas cerebrais.


publicado por neuropsicologiaonline às 03:07
link do post | comentar | favorito

SEQUELAS MAIS FREQUENTES DOS TRAUMATISMOS CRANEOENCEFALICOS

 

Maioritariamente os TCE produzem sequelas que se identificam na memoria ( amnesia principalmente anterógrada e também retrograda ) mudanças comportamentais, (irritabilidade) e defeitos cognitivos mais difusos (entre estes defeitos atencionais, diminuição da capacidade de concentração, etc...)

 

 


publicado por neuropsicologiaonline às 02:57
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 15 de Setembro de 2008

ARTERIA CEREBRAL MÉDIA

ARTERIA CEREBRAL MEDIA

face externa do hemisfério cerebral

(lobos frontal, parietal e temporal)

 

porção posterior da cápsula interna

 

cápsula externa

 

parte externa do pallidum

 

maior parte do núcleo caudado e putâmen

 

 

                                                     

 

 

 

                                                                             
 
                                                                                   
 
 
 
 
 

 

                                                                                   


publicado por neuropsicologiaonline às 13:27
link do post | comentar | favorito

NEUROPSICOLOGIA -AREAS DE ACÇÃO

Áreas de acção

 

 

As funções descritas acima são desenvolvidas nos seguintes domínios ou áreas de acção:

• População neurológicas e neurocirúrgicas, incluindo doença vascular cerebral, tumores, doenças infecciosas ou inflamatórias, epilepsia, doenças degenerativas, trauma crânio-cerebrais, doenças desmielinizantes ,movimento, transtornos, entre outros.

• População psiquiátricas, incluindo distúrbios humor por ambos diagnóstico diferencial com processos degenerativos, tais como a alteração cognitiva e consequências que comporta na entidade. Foi também envolvida na psicose, obsessivo-compulsivo  e de certos distúrbios personalidade.

• população geriátrica para o estudo de padrões de envelhecimento normal e patológica e de intervir através de compensação e de estratégias preventivas.

• população pediátrica com dificuldades de aprendizagem, atenção-hiperatividade e outros.

• O médico e cirúrgico e população geral, que inclui os candidatos a transplante ou de diálise brawls; candidatos à operação coração aberto, e assim por diante.

 


publicado por neuropsicologiaonline às 04:41
link do post | comentar | favorito

NEUROPSICOLOGIA- AMBITO E INSTRUMENTOS DE ACTUAÇÃO

a) Avaliação funções

A avaliação neuropsicológica tem como objectivo identificar e quantificar déficits cognitivos e comportamentais anomalias que surjam a partir de lesões e disfunções cerebrais.

Neste sentido, inclui a recolha de informação e a preparação da história clínica, neuropsicológica, selecção de testes e de medidas técnicas adequadas, administração, interpretação e diagnóstico, tratamento planejamento, implementação do relatório escrito e disseminação das informações.

Os objectivos específicos da avaliação são os seguintes:

1. Contribuição no diagnóstico diferencial (por exemplo, a demência senil tipo Alzheimer versus normal envelhecimento ou deterioração da depressão).

2. Delimitação e quantificação das funções alteradas devido a lesões  focal ou difusa do sistema nervoso central (por exemplo, doença vascular cerebral, traumatismo crânio-cerebral, infecção).

3. Criação de base para o controlo do progressivo  do dano cerebral ou processos de cobrança (tais como tumores, doenças desmielinizantes, trauma crânio-cerebral).

4. A avaliação da eficácia das intervenções terapêuticas de natureza médica, cirúrgica ou psicológica (tais como testes drogas, ressecção de tecido líquido cefalorraquidiano derivação de válvulas, tratamento de afasia ou terapia cognitivo-comportamentais).

5. Determinando o rescaldo cognitivo, social e de trabalho decorrente do envolvimento do sistema nervoso central para os tribunais, bem como as suas implicações laborais, educativas e sociais.

6. Avaliação do estado de estado cognitivo e afectivo para a formulação de estratégias de reabilitação e desenho intervenções.

 

b) Funções de tratamento e / ou de intervenção

A intervenção neuropsicológica envolve a aplicação de técnicas de avaliação e tratamento específico das diferentes desordens comportamentais e cognitivas, em resposta de ambas as actividades individuais e sociais intervenção clínica.

O tratamento envolve a identificação das metas e necessidades intervenção, a intervenção programa formulação, implementação e acompanhamento de adaptação do programa às necessidades e avaliar a eficácia do tratamento.

Activos de tratamento ou de intervenção:

1. Reabilitação neuropsicológica. Intervenção terapêutica com a finalidade de optimizar a recuperação da função cognitiva (atenção, a linguagem, memória ...) em causa e facilitar estratégias para compensar o déficit. Também inclui o tratamento de distúrbios emocionais e de comportamento associadas com a lesão em si, a fim de facilitar o processo de adaptação da pessoa.

2. Estimulação neuropsicológica e Interacção visam estimular as funções preservadas com o objectivo de manter a autonomia do paciente o maior tempo possível.

c) Funções consultivas

Tornar a serviços de aconselhamento aos pacientes e seus familiares, profissionais de saúde e organizações (escolas, tribunais, empresas de seguros, reabilitação unidades, etc.)

O papel consultivo inclui:

1. Comunicação dos resultados da neuropsicológicos diagnóstico, prognóstico e orientação terapêutica.

2. Relatório em matéria de serviços e neuropsicologia das suas funções.

3. Educação em matéria social distúrbios neuropsicológicos.

d) Funções de Investigação

Ela inclui a concepção e selecção dos temas e das linhas de investigação, a revisão da literatura relevante, de supervisão do desenvolvimento e evolução da investigação e da avaliação e da publicação dos resultados.

 

 

e) Funções de ensino

Envolve planejamento e concepção dos cursos e currículo do ensino e da utilização das técnicas e metodologias de ensino eficazes.

 


publicado por neuropsicologiaonline às 04:27
link do post | comentar | favorito

FUNÇÕES DO ESPECIALISTA EM NEUROPSICOLOGIA

Funções do psicólogo clínico especialista em Neuropsicologia

 

As principais funções do psicólogo clínico especialista em neuropsicologia, em geral, faz parte das actividades de avaliação, terapêuticos e / ou de intervenção, aconselhamento, de investigação e de ensino e de supervisão.

 


publicado por neuropsicologiaonline às 04:24
link do post | comentar | favorito

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. NEUROPSICOLOGIA ONLINE

. NEUROPSICOLOGIA-COMO FUNC...

. PARTICIPAÇÂO DO SISTEMA R...

. INFECÇÔES DO CEREBRO _ CL...

. TUMORES CEREBRAIS DE CRES...

. SEQUELAS MAIS FREQUENTES ...

. ARTERIA CEREBRAL MÉDIA

. NEUROPSICOLOGIA -AREAS DE...

. NEUROPSICOLOGIA- AMBITO E...

. FUNÇÕES DO ESPECIALISTA E...

hits
online